PUBLICIDADE
18 out 2021, 13h25

Dos Baby Boomers à Geração Z – O consumo de mídias durante a quarentena

As maneiras que as gerações exploram as tecnologias e mídias sociais são diferentes e derivam de suas formações como indivíduo moldado pelos aspectos culturais, econômicos, políticos e tecnológicos referentes à sua época de formação. Em meio à pandemia e ao isolamento social provocado pelo Covid 19, o consumo das mídias sociais se intensificaram e cada geração tem desfrutado dessa tecnologia de formas diferentes.

Dos nossos avós, aos seus filhos, seus netos e gerações posteriores. As diferentes gerações e suas nomenclaturas surgiram como maneira de identificar padrões de comportamento das gerações em virtude do contexto político, social, econômico e tecnológico vivido por cada um deles. Os fenômenos decorrentes em cada período, como as guerras, crises financeiras e o surgimento de novas tecnologias levaram aos seus indivíduos a assumirem postura e comportamento diferentes entre as gerações.

O fenômeno baby boomer surgiu a princípio não como nomenclatura para uma geração, mas em virtude do “boom” ou explosão de crianças nascidas após a segunda guerra mundial. É devido a esse fenômeno que se dá o nome dos baby boomers, geração de crianças nascidas entre 1945 e 1960 e que hoje têm entre 57 a 60 anos. Os baby boomer também são chamados de geração TV, uma vez que, foi durante esse período que houve o surgimento das televisões. Essa geração foi influenciada pelos movimentos políticos e pela mídia divulgada principalmente pela televisão. Foi durante esse período que surgiu também o movimento hippie (com a cultura da paz, amor e sexo livre) e feminismo.

Por sua vez, já nos anos de 1960 a 1980 nasciam os filhos da geração baby boomer que foram chamados de Geração X. Essa geração tem atualmente entre 38 a 56 anos. A Geração X acompanhou o nascimento dos computadores, da internet e do smartphone. Apesar de nascerem na época dos computadores, essas tecnologias vieram com maior intensidade a impactar a geração posterior, chamada de Geração Y.

Os Millennials ou conhecidos como Geração Y nasceram entre 1980 e 1994 e atualmente tem entre 24 a 37 anos. Essa geração recebe esse nome pois foram aqueles que acompanharam a virada do milênio. Os Millennials são marcados por uma grande revolução tecnológica e digital de forma exponencial, essa geração acompanhou o “boom” do desenvolvimento dos computadores, da internet, dos smartphones, vídeo games e dos benefícios trazidos por eles.

Já nos anos 1995 e 2009 surgiam a Geração Z que atualmente tem entre 16 a 23 anos. Essa geração é conhecida como os nativos digitais, uma vez que, desconhecem o mundo sem tecnologia. Esses indivíduos estão acostumado com o mundo digital, as redes sociais, compartilhamento de informações, aos tablets, Internet das coisas e ao fluxo intenso de informação e conteúdos.

Durante a pandemia e as restrições impostas pelo isolamento social, foi possível observar o comportamento das gerações diante da interação com as mídias sociais. Um estudo realizado pelo Visual Capitalist demonstrou que o isolamento social levou ao aumento do consumo das mídias sociais em todas as faixas etárias, bem como, o mesmo identificou as preferências utilizadas em cada geração.

De acordo com o estudo, os baby Boomer aumentaram o consumo de TV em cerca de 42%. Por sua vez, a geração X assim como os Boomers aumentaram seu consumo de tv aberta, bem como, o consumo de vídeos online. Os Millennials utilizam fontes diferentes de informações e aumentaram a utilização de vídeos online, tv online e tv aberta. Por fim, os nascidos na geração Z estão consumindo principalmente vídeos onlines.

A pesquisa demonstra que, a tomada de decisão frente das escolhas nas mídias sociais estão diretamente ligados à familiaridade de cada geração ao seu tempo tecnológico. Apesar de atualmente as gerações pertencentes ao Boomer e X terem aderido e aprendido mais sobre as tecnologias dos computadores, redes sociais e smartphones, ainda assim, suas preferências estão em tecnologias já por eles conhecidas.

O comportamento humano e suas tomadas de decisões é uma área estudada e compreendida pela neurosciência. Esta, tem se beneficiado das inovações tecnológicas para compreender o cérebro humano e o comportamento do homem frente a tomada de decisões. Algumas técnicas como o EEGNIRS e fMRI podem ser utilizadas para entender as principais áreas ativas cerebrais durante o comportamento humano.

Autora: Tassia Nunes